sexta-feira, 8 de agosto de 2008

Á um só tempo.


Ontem, andei descalça por sobre as navalhas do Tempo
Como o gato sobre o muro
Num prazer quase puro
Como o homem que acaricia a terra úmida
Nua obsidiana
Rolando-a sob seus dedos
sensível ao cheiro, ao gosto, á textura
daquilo que é de seu pertencimento
impaciente por um dia conseguir ver
algo que lhe seja tão estranho
quanto um pedaço de si mesmo.

Ontem, andei nua sob as águas
para sentir maravilhas e estranhamentos
labirintos de mágoas claras de espelhos
refletindo miragens florescentes de desejo
estrelas na areia e odres sempre cheios
belezas translúcidas e iridiscentes
conheci peixes cruéis, inchados de veneno
aprendi canções para se tragar com calma
Canções de lua e morte, e também de honra e alma
confesso - pouco de amor ouvi.
Mas revi naufrágios, e a face do espanto
refletida nos olhos vazios de quem
o mar roubou seu brilho para desperdício de encanto.

A um só tempo
recusei distintivos e ministrei as Águias.
Por amor, minhas duas mãos são destras
Para machados,lanças e espadas.
E em testas febris faço submergir
-á sombra do toque- estrelas.
Para um novo firmamento.
Se o faço ainda é pelo mesmo motivo
que só nas alturas moram os abismos.
Se tudo o que não pode ser dito é perigoso
Que seja! É só porque gosto!
Talvez por isso hoje é que me encerro em suspenso
onde posso ver meus irmãos candentes
Imergindo em seus próprios pesadelos
Ainda não foi o suficiente, mas já basta!
É hora de seguir em frente e inflar minhas asas
Sufocar por entre as nuvens de gás lacrimogêneo
-sempre e sempre ás gargalhadas -
não sabemos se depois daquele dia
Por efeito amoral das cortinas de fumaça
todos nós nos perdemos.



Na verdade
Hoje me pergunto pelo que fomos
e por quais entretantos assim escolhemos
ser o fogo que brilha,sublima e aquece
maldição e sonho consumindo a nós mesmos?

Vícios Decentes.


Gato Félix
Quinta com Jazz
Blues Velvet
"-Not to shore
Talvez seja só mais um gigolô-"
E segue a lista...

Acendo meu ultimo cigarro-vaticínio
Em fósforo xipófago e deixo cair nas
luvas de pelica uma ponta-cinza de ironia fina
Que exatamente como a da guitarra
Rumo ao sol sustenido
Não foi feita mesmo para ser compreendida

Oculto o pensamento no gole
Desnecessário para ritualizar o
Inverossímel árbitrário.
E o presente assiste a Dança
Dos Sete Véus do passado!
01/08/2008

Sorria antes que desconfiem


É melhor ser temido que ser amado
Maquiavel


Talvez desconfiem que você
Vêm sendo roubado demais
Ou amado demais
Ou feliz demais sem por que
(no fundo mesmo ninguém quer saber!)
Tanto faz.

E num outro momento, você que é tão sério
Rasgou um dia útil no torpe calendário
Você que vergou sob o açoite do tripallium
Correu nu,calcando os pés nas tumbas do eremitério
Pulou o muro para sorver em goles de sol um dia claro.

Sorria de uma vez!

Mostre as presas antes
De ser capturado
E talvez

Te respeitem um pouco
Procurem até te entender
Procurar te aceitar
Como não és
Ou nunca quisestes ser

Respire fundo e prossiga
Você mentiu até aqui
É verdade!Você fugiu!Mas covarde?
Sem mais... quem diz isso não sabe
COR-AGEM, tem a ver é
com o que a gente sente.
Não lamente.



Porque se nada der certo
Enfim foi bom conhecer você...
E “no mas”
Saberão que estás morto e sem pranto
E sem lamentar assim tanto
Te deixarão (finalmente)
Em paz!