quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Procura-se uma casa:


Jovem casal procura um lugar, para futura residência
aprazível e ensolarado,emoldurado pela natureza
relicário de memórias do que ficou para trás
um refúgio para os guerreiros que vierem em paz.

Deve ser generosa e ampla para que nela caibam
pelo menos umas três ou quatro oficinas
De poesias, canções,esperanças e sinas
Estas são as mais essenciais.
Mas deve ter,ao menos,um tanto que sobre
para que cresçam as sementes de outras duas ou mais.

Não posso esquecer que deve ter um jardim
em que floreçam pródigas as curas e a beleza
e também - se não for demais-
local seguro e de aconchego para nossos animais.

Uma porta meio entreaberta
para a contemplação dos mistérios
Uma"Queen-size",em que caibam carícias e crias
Uma cozinha bem grande, para refogar as tristezas
Uma sala de estar, que comporte as nossas alegrias.

Para o íntimo apreço: som,imagem e graphia.
E para escândalo público: contentamento e compreensão
Nossos sonhos,tão pequenos,esses dão em qualquer cantinho
de calidez e lealdade, como o nosso coração.


E para ouvir junto com a poesia:http://www.youtube.com/watch?v=V_N4Jum5h2A

sábado, 6 de agosto de 2011

As três corujas buraqueiras

Já era tarde, e o sol poente parecia mais comovente do que o habitual, pelo menos para as 3 filhotes de corujas buraqueiras, que  percebiam que o momento de partir finalmente se aproximava. Elas cresceram no mesmo ninho sendo assim, evidentemente, irmãs de sangue e criação. Vou nomea-las Tack, Teck e Tick.
Tack disse: - Temos que sair deste buraco, naturalmente a noite, porque é quando enxergamos melhor. Quem se habilita a ir na frente? Ou será mais justo um sorteio? Se ninguém se habilitar, proponho que seja eu mesma, mas se preferirem sorteio...
Teck disse: - Por que não voamos todas juntas? Os possíveis predadores teriam mais o que temer se estivessemos unidas. Por outro lado, ficaríamos mais visíveis a eles, é claro. O outro inconveniente é que espantaríamos mais rapidamente as possíveis presas. Mas sendo estas presas as primeiras, é lógico -pelo menos para mim - que  dificilmente obteríamos sucesso nas primeiras tentativas porém, ao contrário,estando juntas tornaríamos mais rápido e eficaz a nossa aprendizagem.Unidas, poderíamos aprender umas com as outras os melhores metodos para se caçar- já que mamãe não nos ensinou nada - pois aprenderíamos com os erros umas das outras -  estou sendo redundante,né? E falando na mamãe, teria nos facilitado muito a vida se tivesse trazido menos coisas e se empenhado mais em acompanhar nosso crescimento, mas se estivessemos juntas ela nos reconheceria em seu próprio vôo e...
Tick não falou nada. Esticou as asas, inflou o peito e logo alçou vôo, com um longo suspiro. Suas irmãs,um pouco confusas com esta atitude, logo a seguiram
Porém Tick estaria sozinha ao amanhecer.

Moral da história: Não perca tempo com discussões inúteis, alce vôo rumo aos seus objetivos e fique consciente de que no fim, estarás sozinho, exatamente como no princípio.

O Inútil Luar




por Manuel Bandeira

...E embalde a Lua, ardente e terna,
Verte na solidão sombria
A sua imensa, a sua eterna
Melancolia...

Fechada para balanço!





...sempre existe o perigo
-é, claro- de se ficar preso
ao passado. Mais cadeias,
necessariamente, no futuro
logo mais á frente!
 Tanto ou quanto mais iminente!
E o presente é uma tábua
de salvação suspensa,
entre estas duas correntes.
Com o peso equilibrado
Passo a perna ao paradoxo
Para contemplar distante
Todo o  risco calculado
E se  mais para trás me projeto,
tanto mais para frente é que me alço.
Alcanço logo o sidéreo espaço
Mas será tão difícil o momento
De manter-me assim, presente!
Capturar-me, no segundo exato,
fora do tempo, á sós, em minha mente
Por isto, sigo assim, balançando
Para trás
E para frente.
É quando me fecho que vejo
Na escuridão do cenário
Paisagens várias em,
meu próprio eixo
E no que me defino,
o meu contrário
Sou aberta e fechada,
Sou escura e tão clara,
Sou livre e mais cara,
Uma gangorra quebrada,
Feita de madeira rara
Para subir ou descer
Sempre a mesma escada!
É chegado o momento
Tomar impulso e chegar lá!
Se estico as pernas
bem para frente
Jogo a cabeça mais para trás
Escorre a tinta,
dos meus pensamentos,
Mais leve, mais longe
Alto demais!
Deito no regaço do poente,
recebo os carinhos do vento!

- Mudando, sempre em frente e ao mesmo lugar.