quinta-feira, 30 de abril de 2015

Coisas frágeis...

(Josephine Wall Art)



Só encontrei encanto nas coisas frágeis
Como as pessoas partidas, as paisagens perdidas
e os adeuses de morte...
Como a caligrafia antes amada numa antiga carta
Ou jardim de silêncio, onde florescem as almas
Onde nada mais importa...
Onde de repente surge o aconchego das coisas calmas,
o reencontro,o riso, e a bebida farta, semeando
De sonhos loucos as madrugadas claras
E de canções que guardam a vida, as lágrimas e a vã memória
E dedilhando coragem e apelos seguem mulheres e homens

Só encontrei força onde há encanto
Uma rosa que equilibra sua imagem numa bolha se sabão
O círculo imaginário, traçado pelos meus gatos,
Que permanescem extáticos, em seu constante "rom-rom"
E o saber que ao abrir a porta, depois do trabalho, exausta
Encontrarei minha "cã", brincando, a pedir minha atenção...

Até que um dia...
As letras se apagam, e a intenção se perde
Os amigos se vão e não mais os vemos
A paz se estilhaça, bem como o silêncio
E o jardim é invadido por daninhas e venenos
O vento leva as sementes, mas também as flores
O amor, como os gatos, partem para lugar nenhum
E talvez até "a cã" um dia venha a me faltar

Bolhas de sabão...
meu mundo equilibrado em gotas
destinadas e fenecer no ar...

Intensa!




E então eu me entrego para sempre...ainda que aos pedaços
E me atiro afoita contra o vento, girando em mim mesma
Para me estilhaçar com força em teus abraços
Por inteira...
Eu solto meus cabelos e minhas estribeiras
Como a chama investe em fúria contra a Igreja
Como a onda precipita seu peito nu contra as pedras
Eu galopo em campo aberto,
Rumo ás estrelas,
Do meu jardim secreto...

Eu sou extremista
Radical
Louca
Intensa

E não é por vir a ser sempre uma estranha, em mil facetas
Que deixo de ser eu mesma
Só e tão pequena, frágil e verdadeira!

sexta-feira, 17 de abril de 2015

O que o seu anjo esta querendo lhe dizer...

                                                     (Quadro de Josephine Wall)
As contas acumulam
Nas agendas que desorganizam
as gavetas se entopem
Do que não queria nunca mais ver
Com aquilo que não sei lidar
Com o que não sei mais o que fazer
A "área de trabalho" é um caos
e os prazos...em plena erupção...
No peito da burocrata
Ainda bate um coração?

-"Ei, você aí...pode me dar uma mão?"

Eu digo sorrindo que sim
Mas  eu sei, bem no fundo que não...
As alternativas se esgotam
E os juros, como o Mal, transbordam
Na fôrma estreita, meu salário
Se o meu nome é trabalho
Meu sobrenome é otário
E se dependo de ônibus
Acrescente-se perda e atraso...
A vilania que tiraniza
O esforço diário- que não se valoriza,
A injustiça que dói
E a "timeline"...repleta
De retrocesso e auto-ajuda
Um clama por gratidão
A outra, chamando para a luta
Não há para o que não se apele
Eu sei que não vai dar tempo
Para o que quer que seja
Mas ainda assim,  indecisa
Entre o mal-pior e
o pior dos males.

E os chefes, infelizmente, são muitos
E se a senda é longa, o céu é estreito
Eu durmo - num sonho de morte
Acordo viva...num pesadelo...

Desistir...é só o quero
Resistir...é só o que faço...

Mas eu não sou nenhum soldado
Exercito só, a arte da sobrevivência
O mundo numa casca de vidro
Vagando de aparência em aparência...

Mas amanhã será diferente
Vou brincar de antigamente
Testar novas cores na paleta
Correr, pulando as pedrinhas
E que se dane á Gazeta!
O dia irromperá, calor e sol
Ainda que relampeia e chova
Sua luz escorrerá por todo o corpo
Encharcando a alma, gota-a-gota,
Um arco-íris que inflama e acolhe
Um momento que fulgura
a gente sega, semeia e colhe
o que, com carinho, se guarda...
Como a pétala no livro, o sal, a joia
Ou uma paisagem...no cristal da retina...
uma foto antiga no relicário sagrado...

Eu ainda reconheço aquela menina
Matar um leão por dia?
Mergulhar, de olhos abertos,
no tanque das cobras venenosas?
Ora...se fosse só por isso,
Ainda assim, valeria á pena!
Mas há os amigos, para brindar á Vida
Contra o Mal, Toda a Liberdade
E a gente sabe...que amanhã é feriado
E que bem no fundo, a gente é que tá certo!
E que no fim, a Esperança vai vencer...
Só porque amanhã é Dia de Você!